Pesquisar

pt br  en us

 

capes horizontal   

Cnpq

        

periodicos2

 

logo faperj cor

 

Bois Amazonia

                                   Bois na Amazônia (Crédito: Anistia Brasil/Reprodução)

 

Em 2019, a Anistia Internacional visitou cinco áreas protegidas na Amazônia brasileira: as Terras Indígenas Karipuna e Uru-Eu-Wau-Wau, as Reservas Extrativistas do Rio Ouro Preto e do Rio Jacy-Paraná (no estado de Rondônia), e a Terra Indígena Manoki (no estado de Mato Grosso). Dados oficiais, imagens de satélites e as visitas realizadas pela Anistia Internacional mostram que as apropriações ilegais de terras, quase sempre ligadas à criação de bovinos, estão aumentando em todas as cinco áreas. 

 

Essa é a conclusão do relatório Cercar e trazer o boi: pecuária bovina ilegal na Amazônia brasileira, lançado no dia 26 de novembro de 2019.

 

Povos indígenas e tradicionais de quatro das cinco áreas protegidas contaram à Anistia Internacional que novas invasões costumam ser acompanhadas por violências, ameaças e intimidações. Na quinta área, a Reserva Extrativista do Rio Jacy-Paraná, praticamente todos os habitantes originais já foram expulsos à força e têm medo de retornar, pois os invasores armados envolvidos na criação de gado estão vivendo na terra deles.

A pesquisa mostrou também que o governo Bolsonaro não está apenas cortando os recursos e enfraquecendo os órgãos de proteção indígena e ambiental, mas que alguns órgãos públicos estaduais estão efetivamente facilitando a criação de bovinos em áreas protegidas.

 

Acesse, no link a seguir, o Relatório "Cercar e trazer o boi: pecuária bovina ilegal na Amazônia brasileira".

 

UFRJ IPPUR - UFRJ
Desenvolvido por: TIC/UFRJ