Pesquisar

pt br  en us

 

capes horizontal   

Cnpq

        

periodicos2

 

logo faperj cor

 

PROTESTO DE JOVENS NA FAVELA DO BOREL APÓS MORTE DE GABRIEL PEREIRA ALVES, 18, ESTUDANTE ALVEJADO POR BALA PERDIDA ENQUANTO ESPERAVA ÔNIBUS A CAMINHO DA ESCOLA. FOTO: MAURO PIMENTEL/AFP / Reprodução Carta Capital

 

Neste artigo para o site da Carta Capital, a pesquisadora Joyce Trindade (GPDES/IPPUR) aponta como a tentativa de invisibilização dos corpos negros se apresenta no planejamento da cidade e na massacrante distância das regiões periféricas até os locais de tomada de decisões institucionais.

 

O artigo "Compreender o passado, para enfrentar o presente e impactar o futuro" foi publicado no site da Carta Capital, em agosto de 2019. A autora Joyce Trindade é graduanda do GPDES/IPPUR e escreve sobre as temáticas da periferia, raça e gênero como estratégias de incidência social e política. É co-fundadora e diretora do Projeto Manivela e também faz parte do Mulheres Negras Decidem.

 

As opiniões emitidas neste artigo são de exclusiva e inteira responsabilidade do(s) autor(es), não exprimindo, necessariamente, o ponto de vista e/ou posição institucional do IPPUR/FRJ.

 

Nossos corpos desestabilizam as estruturas impostas

Por Joyce Trindade

 

O processo de formação da nação brasileira, durante o contínuo holocausto negro e indígena, é marcado pelo extermínio, dominação, coisificação e negação. A tentativa de invisibilização dos corpos negros se apresenta no planejamento da cidade e na massacrante distância das regiões periféricas até os locais de tomada de decisões institucionais, que são ainda mais intensificadas com as estruturas subalternizadas e discriminatórias dos modais de transportes presentes nas capitais.

 

Regiões periféricas mercantilizadas, segregadas e zoneadas com a autorização do Estado. Onde apesar da Constituição e as legislações urbanas preverem que o planejamento da cidade deve promover a democratização entre seus habitantes, notamos que as decisões tomadas em sua estruturação, expressam os privilégios das elites – herdeiros das empresas escravista, que sobretudo, são os principais interlocutores políticos e econômicos.

 

Os processos de negação de direitos fundamentais, violências sofridas pelo descaso do governo e a subalternização dos corpos periféricos, são institucionalizadas nas raízes históricas que estruturam as capitais e atingem predominante suas/seus moradoras/es negras/os e empobrecidas/os.

 

A população moradora de favelas no Brasil em 2010, chegou a cerca de 11,4 milhões de pessoas  e somente no Rio de janeiro, estavam cerca de 1,4 milhão (IBGE, 2010). Uma nação de favelados! Soma-se a esse número os “territórios invisíveis”; locais periféricos não mapeados pelo Estado, que tornam-se campos de batalhas no processo de especulação imobiliária.

 

A omissão perpetua as estruturas da invisibilidade, através dos instrumentos privados de acumulação, que são arrojados de forma legal entre agentes econômicos e coalizões políticas. Múltiplos atores, distribuídos nas diversas hierarquias que constituem a vida urbana, disputam posições e recursos, sendo a cidade uma arena e objeto de disputa. Dessa forma, os territórios invisíveis apresentam-se como locais de maior vulnerabilidade, sendo alvo de rupturas nos espaços e dinâmicas sócio-espacial.

 

Periferia pautando o futuro?

 

A construção do saber e as formas de vivenciar/estruturar os territórios e as bases legais, estão intrinsecamente ligadas ao imposicionamento da branquitude, estruturando as normas e consequentemente a exclusão. Vocacionar novos arranjos sociais, expandir a compreensão legal do direito à terra e dos mecanismos do Estado, é um agenciamento libertário e urgente que se personifica nas ações de diversos movimentos e coletivos periféricos. Onde cada vez mais, se mostra notório a urgência de pautarmos o nosso futuro a partir da nossa ancestralidade e expertises adquiridas no caos, mas que com o tempo transformaram-se em tecnologias.

 

Não devemos romantizar as favelas e os territórios periféricos, pois como já apresentado ao longo do texto, são espaços construídos dentro dos processos de dominação e exclusão. Entretanto, também se torna urgente reconhecermos que as mesmas, são estruturas contrárias às imposições coloniais. Nações Periféricas que diante da morte e das lutas contra os espaços marginalizados, estão se organizando – se aquilombando, para viver e revolucionar.

 

Durante 2018, escutamos muitas pessoas afirmarem que “ninguém soltaria a mão de ninguém”. Pessoas de diferentes classes, cores e posicionamentos, convictas que aquele era o momento de criar articulações sociais e políticas da base e para base. Entretanto, querida/o leitora/or, as formas de agenciamento de sobrevivência e resgate de sonhos, permanece sendo consolidada pelos periféricos e para os periféricos – Ubuntu.

 

Agenciamentos afro futuristas de potencialidades e impulsionamento de micro transformações territoriais de intervenções coletivas de moradores locais. Micro processos de formulações de projetos de incidências sociais, organizacionais e políticas, que no futuro revelam-se em projetos de alcance revolucionários. Antes, éramos somente empregadas domésticas que insistiam da educação de seus filhos, hoje somos jovens doutores e mestres que estão alcançando espaços inimagináveis pelos seus antepassados – Micros agenciamentos, revelando-se em macros transformações.

 

O nós por nós sendo efetivado na disseminação dos conhecimentos obtidos dentro dos muros universitários, revolucionando o acesso à informação e estruturando modelos de projetos baseados na identificação dos seus corpos como sábios. A insurgência a partir das nossas movimentações, pois nossos corpos desestabilizam as estruturas impostas.

 

Compreender o passado, para enfrentar o presente e impactar o futuro.

 

Joyce Trindade

capa livroIPPUR colorido

 

Nesta coletânea de artigos, o IPPUR/UFRJ apresenta um extenso panorama da produção do seu corpo docente, tendo como base o eixo território e planejamento a partir do qual tece diálogos com temas como estruturação urbana, meio ambiente e políticas públicas.

 

A coletânea "Território e Planejamento: perspectivas transdiciplinares" foi publicado no ano de 2018, tendo como organizadores os professores Fabrício Leal de Oliveira e Pedro de Novais Lima Júnior.

 

A obra representa uma segunda ação de divulgação científica do corpo docente do IPPUR, já que no ano de 2011, ao completar 40 anos de trajetória, o instituto lançou a coletânea n. 1 "Território e Planejamento".

 

Nessa segunda edição, ampliada com a incorporação de novos autores, o IPPUR mantém o mesmo objetivo: mostrar as várias linhas do seu pensamento crítico, interdisciplinar e voltado para a intervenção pública que marca a trajetória do instituto no cenário nacional.

 

capa territorio planejamento IPPUR

 

Na primeira seção da coletânea, Planejamento e Estruturação Urbana e Metropolitana, os textos se relacionam com a pesquisa sobre a produção do espaço construído, de grandes intervenções públicas no espaço urbano-metropolitano e dos conflitos que surgem em torno da apropriação do território.

 

A segunda seção, Planejamento, História e Cultura, centra-se na investigação da organização espacial das cidades através de políticas públicas e governamentais e sua territorialização, enfocando aspectos da história, da identidade e da cultura.

 

Na terceira seção, Planejamento, Meio Ambiente e Tecnologia, os autores centram suas discussões nas mudanças na relação sociedade/natureza, nos conflitos e nas consequências ambientais sobre o território, assim como nas transformações decorrentes das novas formas e tecnologias de comunicação.

 

A quarta seção, Planejamento e Políticas Públicas apresenta cinco artigos que abordam diferentes dimensões da gestão pública e sua interação com as escalas, territórios e lugares.

 

Faça o download, nos links abaixo, do livro "Território e Planejamento" (IPPUR/2018) — versão pdf.

 

Parte 1

Parte 2_1

Parte 2_2

Parte 3

Parte 4

capa burocraciaderua

 

O livro "Burocracia de Nível de Rua", de Michael Lipsky, é um dos clássicos na área de políticas públicas. Agora a obra ganha a sua primeira versão em português no lançamento da Escola Nacional de Administração Pública (Enap).

 

O lançamento do livro "Burocracia de Nível de Rua no Brasil" é mais um marco importante para a crescente literatura nacional sobre políticas públicas.

 

Originalmente publicado em 1980 em inglês, o livro se tornou rapidamente uma referência importante nos estudos sobre políticas públicas, lançando luz sobre atores essenciais mas muitas vezes invisibilizados: os burocratas, ou funcionários, que interagem com os usuários na implementação das políticas.

 

Essa categoria, brilhantemente proposta por Lipsky, incorpora a grande maioria dos funcionários próprios ou terceirizados da administração pública mundial: são todos os professores, policiais, assistentes sociais, profissionais de saúde, profissionais dos serviços carcerários, das agências de atendimento, das agências de serviço social e encaminhamento para o emprego. São todos aqueles que cotidianamente, interagem com os usuários dos serviços entregando serviços e políticas públicas.

 

Segundo Gabriela Spanghero Lotta, que assina o Prefácio do livro, no Brasil, assim como nos demais países, os burocratas de nível de rua ocupam o maior contingente de profissionais do setor público.

 

"São milhões de professores, policiais, assistentes sociais, profissionais de saúde e outros funcionários que realizam encontros cotidianos com os usuários. E é por meio deles que os direitos são, ou não, adquiridos, que a eficiência é, ou não, conquistada, que as desigualdades são, ou não, reduzidas. Olhar para eles é, portanto, tarefa primordial para quem pensa e gerencia o Estado. E é um locus fundamental de estudos para quem se preocupa com as políticas públicas", escreve e completa:

 

"Esperamos, assim, que este livro possa continuar contribuindo para a construção de uma agenda de pesquisas nacional preocupada em desvendar o mundo cotidiano da implementação das políticas públicas. E que possa contribuir para a formação de gestores públicos nos mais diversos entes federativos preocupados com o efeito de suas decisões em termos de acesso e qualidade de serviços aos usuários", afirma Gabriela Spanghero Lotta.

 

A publicação "Burocracia em Nível de Rua" está disponível para download no Repositório da Enap.

 

https://repositorio.enap.gov.br/handle/1/4158

"Migrantes" documentário

 

VI Seminário do NIEM – Núcleo Interdisciplinar de Estudos Migratórios

 Rio de Janeiro, 9 e 10 de setembro de 2019

 Local: Escola Nacional de Ciências Estatísticas

 Rua André Cavalcanti, 106 - Bairro de Fátima

 Dia 09/09

 

 

9:00 Cerimônia de Abertura: 

César Augusto Marques da Silva (Ence-IBGE), Antonio Tadeu Ribeiro de Oliveira (OBMigra, DPE-IBGE) e Helion Póvoa Neto (NIEM, IPPUR-UFRJ)  

 

9:30 – 12:30 Mesa redonda: Políticas de migração e refúgio na América Latina

Ângela Magalhães Vasconcelos (Escola de Serviço Social, Labmigrar, CSVM/UFF)

Charles Gomes (Fundação Casa de Rui Barbosa, Munk School/University of Toronto)

Helion Póvoa Neto (NIEM. IPPUR/UFRJ) – coordenador

Larissa Moura Getirana (Caritas Arquidiocesana do Rio de Janeiro) 

María Villarreal (NIEM, GRISUL/UNIRIO)

 

Intervalo

 14:00 – 17:00 GT1: Estudos migratórios: novas tendências (sessões simultâneas)

 

Sessão 1A - Coordenação: Isabela Cabral Félix de Sousa (NIEM, EPSJV/Fiocruz)

  1. 1.Linguagem afetiva nas relações interculturais com crianças migrantes - Catarina Gonçalves / Fernanda Paraguassu
  2. 2.A construção mediada da educação e perspectivas de futuro entre migrantes brasileiras - Helena Dedecek Gertz
  3. 3.Cinedemografia: migração no cinema brasileiro - Paula Alves De Almeida / José Eustáquio Diniz Alves / Denise Britz do Nascimento Silva
  4. 4.A reconstrução da posição aluno/profissional no processo migratório e sua importância psíquica - Arthur Silvério de Oliveira / Elaine Cristina Schmitt Ragnini / Luísa de Oliveira
  5. 5.Infância e migração: possibilidades de atuação a partir da Psicologia Histórico-Cultural - Luana Lubke /Victoria Klepa

 

Sessão 1B - Coordenação: Gislene Santos (NIEM, Departamento de Geografia/UFRJ)

  1. ONGs, migrantes e empreendedorismo:Economia da experiência, inclusão precária e lampejos cosmopolitas - Sofia Cavalcanti Zanforlin
  2. Etnografar trajetórias da elite brasileira migrante: anotações sobre o deslocamento de famílias brasileiras à Colômbia -Diana Patricia Bolaños Erazo
  3. 3.Política externa migratória brasileira e a teoria pós-moderna de Relações Internacionais: novos conceitos e novas tendências de pesquisa - Roberto Uebel / Amanda Raldi
  4. 4.Por uma “virada prática” no regime internacional de proteção aos refugiados - Matheus Sousa Marques

 

Sessão 1C - Coordenação: Patrícia Reinheimer (NIEM, PPGCS/UFRJ)

  1. A migração internacional nos espaços ordinários: o cotidiano migratório na “Baixada do Glicério”, centro da cidade de São Paulo - Caio da Silveira Fernandes
  2. 2.Terremoto clandestino: narrativas identitárias de refugiados num grupo musical - Júlia Motta
  3. 3.A influência do acolhimento de imigrantes chineses no bairro da Liberdade em São Paulo - Cesar Kizaka Umekita
  4. 4.Juventudes refugiadas: narrativas de jovens estudantes refugiados de Duque de Caxias - Viviane Penso Magalhães
  5. 5.Negras, africanas e refugiadas:corpos ressignificados sob as dinâmicas da subalternização - Marina Tomassini Panosso

 

17:30 -  Cinema e Migração – Migrações Internacionais

Exibição do documentário “Por um Punhado de Dólares — Os Novos Emigrados” (2017)

Debate com o diretor Leonardo Dourado (Telenews, ABPI-TV)

 

Dia 10/09

 

9:00 – 12:00 Mesa redonda: Migração, história e subjetividades

Camila Daniel (NIEM, ITR/UFRRJ)

Gustavo Junger da Silva (NIEM, IBGE)

Maria Catarina C. Zanini (NIEM, UFSM)

Miriam de Oliveira Santos (NIEM, IM/UFRRJ) - coordenadora

 

Intervalo 

14:00 – 17:00 GT2: Estudos migratórios: múltiplas perspectivas (sessões simultâneas)

 

Sessão 2A - Coordenação:Luciano Ximenes de Aragão (NIEM, FEBF/UERJ)

  1. 1.Baianos na Ilha Grande: uma análise sobre os fluxos migratórios destinados a Vila do Abraão - Rafaela Dettogni Duarte Paes
  2. Arranjos domiciliares e migração nas regiões metropolitanas de Campinas e da Baixada Santista - Luiz Antonio Chaves De Farias / Vinícius De Souza Maia
  3. 3.Um homem de letras e de ação: a trajetória de Artur Hehl Neiva no campo imigratório do Brasil entre as décadas de 1930-1950 - Guilherme Dos S. C. Marques
  4. Experiências de acolhimento humanitário de migrantes: agentes em disputa por um modelo curitibano - Eloisa Pissaia / Matheus Kich
  5. Um interventor judeu? Salo Brand e a política do Estado Novo no Norte Fluminense - Yann Almeida Belmont Paula

 

Sessão 2B - Coordenação:Regina Petrus (NIEM, UFRJ) 

  1. 1.O atendimento a mulheres migrantes em Tijuana e o protagonismo dos migrantes - Tuila Botega
  2. 2.Não esperados: paradoxos da imigração haitiana no Brasil - Adriano Alves de Aquino Araújo
  3. 3.Migrações de passagem: o caso dos ganeses no Sul do Brasil - Vania Herédia
  4. 4.Novos fluxos migratórios do Sul Global: Imigrantes senegaleses em Porto Alegre e sua inserção no mercado de trabalho - Júlia Petek
  5. 5.Do global ao local: formas de habitar de imigrantes laborais internacionais contemporâneos em Lajeado/RS - FabianaBraun / Rosmari Cazarotto

 

Sessão 2C - Coordenação:Rickson Rios Figueira (NIEM, UFRR) 

  1. 1.Os migrantes estrangeiros documentados na Amazônia brasileira no período pós-2010 - Alberto Augusto Eichman Jakob
  2. Operação Acolhida: resposta brasileira à grave crise migratória da Venezuela - Eduardo Xavier Ferreira Glaser Migon / Guilherme De Araujo Grigoli
  3. 3.Entre hospitalidade e hostilidade: análise da “ontopolítica” brasileira no fluxo migratório venezuelano através da Operação Acolhida - Victória Figueiredo Machado
  4. 4.Venezolanos en Curitiba: flujo migratorio, diáspora y proceso de integración social - Madison Ramniery González García
  5. A produção de dados sobre emigração internacional: censos x registros administrativos -Antonio Tadeu Ribeiro de Oliveira

 

17:30h

Encerramento: Cinema e Migração – Migração Interna no Brasil

Exibição do documentário “Migrantes”                                                                                

Debate com o diretor José Roberto Pereira Novaes (UFRJ) 

 

Comissão Organizadora:

Camila Daniel (NIEM, ITR/UFRRJ)

César Augusto Marques da Silva (Ence-IBGE)

 Gislene Santos (NIEM, Departamento de Geografia/UFRJ)

 Gustavo Junger da Silva (NIEM, IBGE)

 Helion Póvoa Neto (NIEM, IPPUR-UFRJ)

Isabela Cabral Félix de Sousa (NIEM, EPSJV/Fiocruz)

Isis do Mar Marques Martins (NIEM, IPPUR/UFRJ)

Luciano Ximenes de Aragão (NIEM, FEBF/UERJ)

María Villarreal (NIEM, GRISUL/UNIRIO)

Miriam de Oliveira Santos (NIEM, IM/UFRRJ)

 Patrícia Reinheimer (NIEM, PPGCS/UFRJ)

 Regina Petrus (NIEM, UFRJ) 

Rickson Rios Figueira (NIEM, UFRR)

 

Comitê Científico:

Ademir Pacelli Ferreira (NIEM, UERJ)

Camila Daniel (NIEM, ITR/UFRRJ)

Carolina Moulin (PUC-Rio, UFMG)

César Augusto Marques da Silva (Ence-IBGE)

Enara Echart Muñoz (UNIRIO)

Gislene Santos (NIEM, Departamento de Geografia/UFRJ)

Gustavo Junger da Silva (NIEM, IBGE)

Helion Póvoa Neto (NIEM, IPPUR-UFRJ)

Isabela Cabral Félix de Sousa (NIEM, EPSJV/Fiocruz 

Isis do Mar Marques Martins (NIEM, IPPUR/UFRJ)

Luciano Ximenes de Aragão (NIEM, FEBF/UERJ)

María Villarreal (NIEM, GRISUL/UNIRIO)

Miriam de Oliveira Santos (NIEM, IM/UFRRJ)

Mohammed ElHajji (UFRJ)

Patrícia Reinheimer (NIEM, PPGCS/UFRJ)

 

Regina Petrus (NIEM, UFRJ) 

 

Rickson Rios Figueira (NIEM, UFRR)

 

Página Facebook do evento:

 

Imagem do documentário "Migrantes", que será exibido no VI Seminário do NIEM

 

Não é necessária inscrição para ouvintes.

 

Maiores informações pelo e-mail O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

 

UFRJ IPPUR - UFRJ
Desenvolvido por: TIC/UFRJ